09/01/11

O "rink" da Gomes Pereira


Na minha infância, a sede do Sport Lisboa e Benfica era na Avenida Gomes Pereira , logo a seguir à Fabrica Simões, para quem vem, como eu vinha, da estrada de Benfica, onde descia do eléctrico em que viajava desde São Domingos de Benfica, acompanhado pela Judite , a servir na minha casa , e que hoje todos os meus consideram da família sendo a inversa igualmente verdadeira .
As aulas de ginástica eram por volta das seis da tarde, nem sempre me apetecia ir, devia querer brincar , tal com o a minha filha não lhe apetece ir ao ballet ou a coro, por vezes íamos a andar quase a correr num "stress à anos 60"!,uma vez caí e parti um dente de leite, devia ter 4 ou 5 anos, acho que fiz duas épocas de ginástica no Benfica.
Várias vezes ao longo dos anos, tenho pensado que me tem sido muito útil esse tempo de ginástica, já que me deram uma essencial "gramática" físico-motora , que me tem dado imenso jeito. O rinque da sede do SLB, onde se jogava hóquei em patins, era onde eu fazia a maioria das minhas aulas de ginástica, e era circundado por uma bancada em cimento, de um dos lados, por uma bancada de madeira do lado oposto, e num dos topos, pelo peão.
Ao ver as fotografias reparo que o grupo era misto, quanto ao género, pelo menos nos saraus como o que a imagem reporta; naqueles anos 60 em Portugal, a coeducação dos sexos, no ensino oficial e particular, não era praticada, era mesmo proibida devido à influência da igreja na sociedade.
Nos dias de chuva, os professores, um homem e uma mulher, creio que casal, levavam-nos para um "ginásio", onde existiam plintos, cavalo com arções e outros equipamentos de ginástica.
Voltei à Gomes Pereira, várias vezes depois disso , a seguir ao 25 de Abril vi lá sessões estivais de cinema ao ar livre, e por volta dos trinta anos voltei a utilizar o rinque , alugado pelos fregueses e por malta amiga, para jogar futebol de salão, já depois de ter deixado de ser propriedade do clube, e passar a ser equipamento da Junta da Freguesia de Benfica . Foi nessa altura, que guiado pelas minhas memórias e nostalgias procurei o "ginásio" onde fazíamos os exercícios quando chovia; deparei-me incrédulo que esse espaço era afinal uma minúscula sala,pelo que me "revi" retroactivamente como Gulliver no país dos gigantes ou ali e naquele momento em Liliput, e lembrei-me do artista plástico e cartonista Sam, que brincava com as dimensões dos objectos do quotidiano para criar absurdo.

5 comentários:

José María Souza Costa disse...

Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

simon disse...

Boa tarde. Deixo aqui um convite público para uma conferência sobre lojas, desta feita sobre as lojas da Baixa Chiado. Mas como não é um tema vulgar pode ser que os frequentadores do Mercado de Bem-Fica apreciem.
Cumprimentos Ernesto Jana
ernesto.jana@cm-lisboa.pt




CONVITE | CONFERÊNCIA | Título: “ Lojas da Baixa e do Chiado enquanto património vivo e imaterial ” Guilherme Pereira e Judite Reis | 19 de Janeiro, 18:00 horas
10-01-11


Categoria: Destaques







Sinopse


As lojas pela proximidade com o público, representam bem uma cultura e identidade específica numa cidade. Com este mote o GEO - Gabinete de Estudos Olisiponenses, iniciou em 2008, um levantamento a todo o comércio existente neste inicio de século, uma investigação, ainda em curso, numa recolha sector a sector, que pode acompanhar em http://geo.cm-lisboa.pt/index.php?id=5952.


Esta conferência é um convite para seguir os nossos passos num regresso a um passado de histórias olvidadas, de cenários românticos, onde o dourado escureceu com o tempo, mas não esmoreceu com a modernidade.
E não é preciso puxar muito pela imaginação, nem recuar muito no tempo, para reencontrar a Baixa e Chiado de uns e de outros, de ontem e de hoje.


A abordagem contemplará os comércios enquanto património material (fachadas, decoração, mobiliário, marcas, publicidade, e não só); e as lojas como património cultural, nas suas origens, actividades, saberes, profissões, modas, usos e costumes. Será feita uma ilustração com recurso a exemplos de estabelecimentos mais emblemáticos e notáveis.


Ao encontro da Baixa e Chiado das lojas de hoje e de sempre, paleta de histórias vivas e imateriais pela voz dos protagonistas.

GEO - Gabinete de Estudos Olisiponenses
Palácio do Beau Séjour

Estrada de Benfica, 368, 1500-100 Lisboa
Informações: 21 770 11 24 / 21 770 11 20


Datas: 19 de Janeiro
Horário: 18:00
Destinatários: Público em geral

João Xavier disse...

José Maria Costa,

obrigado pelo seu comentário e pelo convite para visitar o seu blog. Já o fiz, apreciei a autenticidade e tenciono ir acompanhando.

Um Abraço !

João Xavier disse...

Simon

Agradeço o convite para a conferência no Beau Séjour,louvo a iniciativa, tenciono estar presete e apreciarei certamente.

Cumprimentos

J. disse...

:)

também me acontece pensar em lugares de infância que na altura me pareciam imensos e anos depois se revelaram extremamente pequenos em relação às minhas recordações... mas continuaram a ser grandes no meu coração! :)