10/04/11

Acordes na barbearia

Fui surpreendido num destes sábados na Estrada da Luz, mesmo na fronteira da freguesia de São Domingos de Benfica, com uns acordes de violino que se desprendiam de uma loja de rua. Pensei para comigo, abriu aqui uma loja de instrumentos de música, mas imediatamente percebi algo de inabitual. Observo melhor o instrumentista de pé junto à porta . Os meus olhos esquadrinham o meio à procura de mais informação; por cima da loja, uma tabuleta indica "barber shop", não me chega, descortino um cadeira de barbeiro antiga, o violinista continua a tanger uns acordes, parecem-me de densidade melancólica e emprestam uma certa beleza àquela manhã, olho para o fundo da loja à procura de mais informação, tento vislumbrar profissionais ou clientes que me esclareçam que tipo de loja é aquela com um violinista a tocar.
Sim, é uma barbearia, melhor, hoje em dia é "dois em um", um barbeiro de homens e um cabeleireiro de senhoras na mesma loja . Não sei se o violinista está desempregado e encontra modo de sobreviver ou se é amigo do proprietário, se é uma estratégia de marketing --- vejo depois um cartaz a anunciar a abertura de nova loja. Gosto de pensar utopicamente que poderíamos tornar a vida na cidade em espaços de convivencialidade e de aprendizagem informal em que lojas poderiam aderir a uma rede de "objectos educacionais" como propunha Ivan Illich nos anos 70 do século passado na sua sociedade sem escolas. Gosto de pensar que poderíamos cortar o cabelo a ouvir violino e deslizarmos para o outro lado do espelho, noutro tempo noutro lugar, passando os olhos por < albuns fotográficos de figuras da música e da pop >. Gosto de pensar que em certas condições se poderia aprender o b-a-bá do corte de cabelo ou < a aplicar "henna" no cabelo >, como fazem as mulheres marroquinas.
"BarberShop" Estrada da Luz, 195- A

3 comentários:

J. disse...

deliciosamente insolito :)

agora existem aquelas cadeiras que fazem massagens para descontrair enquanto nos lavam o cabelo... porque não um concerto privado de violino? uma forma mais original de descontrair...
muito bem apanhado! ;)

funcionamento disse...

Conheci o Violinista, é um homem notável, chama-se Canto e Castro e é também um exímio imitador. Fazia muitas vozes do programa Contra-informação. Não sabia que agora actuava naquele sítio, já o tinha visto num restaurante, ao jantar.
Além disso queria FELICITAR o autor deste Blog,pela sua sensibilidade, pela pesquisa e capacidade de observação. Eu sou um r~esidente em Benfica e S. Domingos de benfica há cerca de 40 anos. Saudações e parabéns

Xávi disse...

Sim agora que me fala em Canto e Castro reconheço que aquela cara não me era estranha; associando-o mais ao teatro e às imitações do que à música, talvez por isso não o reconheci, esta tendência para se limitar as personagens a uma única dimensão quando elas tem várias.Agradeço as suas felicitações em nome dos que fazem este blogue e somos vários, eu só colaboro há um par de anos. O que me agrada no "mercado" é a ideia de se poder colocar sob um balcão metafórico as palavras e os afetos sobre um lugar,"aqui bem-fica" território de aprendizagens e de construção de um ambiente humanizado, valor à apreciação e ao reconhecimento de quem quiser, para usufruto. E como não podia deixar de ser, este mercado só pode ser um espaço aberto a todos os que queiram colocar "sob o balcão". Sinta-se pois à vontade, se assim o entender para se juntar a nós! Saudações