07/10/10

O bilhete " operário"




Em 1970 havia um eléctrico que vinha de Sete - Rios, provavelmente do Arco do Cego, e terminava no Calhariz de Benfica perto do local onde se viria a construir o "Califa ". Mas o que me interessava mais era o eléctrico que continuava e que seguia para as Portas de Benfica e que me levava para a Escola Pedro de Santarém. O bilhete normal custava 50 centavos. Havia uma variante desta carreira, o "operário", que se podia apanhar antes das oito horas e que permitia adquirir uns bilhetes sub-compridos que permitiam ir e voltar, por 80 centavos; poupava 20 centavos que me davam para comprar uma carteira de cromos.
Para isso tinha que me levantar mais cedo, no Inverno ainda era de noite antes das oito, às vezes com frio e chuva… custava acordar... mas havia um bónus à espera . Eu sabia que o eléctrico passava entre os 15 e os 10 minutos antes da hora certa, saía a correr de casa virava a esquina , dava uma corrida e lá vinha o eléctrico ainda com as luzes acesas do letreiro superior indicando a direcção e a desejada indicação lateral "operário". Quando não o conseguia apanhar, tinha que comprar o bilhete de tarifa normal, 50 centavos, e se queria utilizar os outros 50 centavos que me davam para os transportes, para outro fim de divertimento pessoal, " vício" coleccionista ou outro, arriscava andar "à penda". 
Entrava na porta oposta à da presença do pica bilhetes de preferência em eléctricos cheios ou de duas carruagens, sabia-se o percurso bem, os sítios onde se podia saltar com mais segurança, ou seja, onde o eléctrico não dava tanta "mecha", e saltava-se à aproximação do pica bilhetes. Para fazer o percurso inteiro, se ainda estivéssemos longe do destino, apanhava-se o próximo eléctrico , se tivéssemos sorte…se não, ia-se a pé. 
O que eu não podia saber na altura, aos solavancos, no "operário" pela estrada em direcção a Benfica , a pensar na colecção de cromos da bola ou na futebolada que iria disputar, é que na direcção oposta para Sete Rios já tinha passado há uns minutos num outro eléctrico, uma miúda que para apanhar o bilhete operário, e amealhar para, enfim, pastilhas, gelados, cromos, bolas de Berlim, se tinha levantado às 7 e trinta da matina , à revelia da mãe, para chegar à Escola Pedro de Santarém feminina, em Sete Rios, e depois esperar à porta ,meio adormecida, pela abertura do estabelecimento escolar.




Texto de João Xavier e contributo da São Marques. Foto de Goulart, AML

7 comentários:

Carlos Henriques disse...

Bom Dia,

Obrigado pela lembrança,

Carlos Henriques

Carlos Caria disse...

Belas imagens do "operário", eu como sou um pouco mais velhinho só pagava 7 tostões pelo percurso Belém Chile, e tinha de ser até às 7 e meia, se não pagava tudo e se fosse mais do que uma vez na mesma semana, já não dava o dinheiro para os transportes da semana toda.
Maldita vida de miséria, e ainda existe gente que tem saudades.

xávi disse...

Carlos Henriques,
obrigado pelo seu comentário pois
fico contente em saber que de algum modo o texto pode ter avivado uma sua lembrança.

Carlos Caria,
o seu comentário enriquece o texto sobre o "electrico operário" com a memória da realidade que muitos não sabem, outros não querem saber e em outros é curta.
Obrigado

J. disse...

mais um optimo texto! :)

gostava tanto de ter visto electricos em benfica... ;)

Miguel Gil disse...

Como um ou outro promenor diferente, revi-me a apanhar o 'operário' neste belo post.
A 1ª vez que saltei do eléctrico em andamemto, que me estalei no chão, foi exactamente à porta da velha Escola Pedro de Santarém!
Em Benfica o último 'operário' era às 7:30h, demasiado cedo para chegar à escola, mas muito útil para poupar uns dinheirinhos!Eu gastava-o em amendoins comprados na escola ou em 'almofadinhas' compradas na mercearia da Morais Sarmento!

Marta G. disse...

Que giro! Não fazia ideia! Muitos parabéns pelo texto que enriquece o nosso conhecimento sobre Benfica, as suas gentes e histórias... Este blog devia dar um livro <3

Guidinha Pinto disse...

Céus como o tempo voa. Sou deste tempo, do bilhete operário. De Sete Rios para a Praça de Espanha. Como nessa altura não havia mesada, era só ter a sorte de o apanhar a horas e depois, ao fim de dois dias, já podia comprar a bolinha de berlim à saída da Marquesa de Alorna, às 5 da tarde...
Adorei vir aqui. Vou virar fã :).
Saudações cordiais.